Luto na Ciência

Acordei às 5h40 desta quarta-feira, 14/3, com uma notícia que deixou minha imaginação de luto: a morte do famoso astrofísico britânico Stephen Hawking, que morreu aos 76 anos. Resolvi homenagear o grande cientista publicando algumas de suas frases:

– Sobre o porquê da existência do universo

“Se encontrarmos a resposta, seria o último triunfo da razão humana – nesse momento, saberemos o pensamento de Deus e conheceremos o espírito de Deus” (em “Uma Breve História do Tempo”, publicada em 1988)

– Sobre a sua doença

“As minhas expectativas foram reduzidas para zero aos 21 anos. Tudo desde então é um bónus” (entrevista ao “New York Times”, em dezembro de 2004)

“Eu vivi cinco décadas mais do que os médicos haviam predito. Eu tentei fazer bom uso do meu tempo (…) Porque todos os dias pode ser o meu último, eu desejo tirar o máximo de cada minuto” (no documentário “Hawking”, 2013)

– Sobre Deus

“Não é necessário invocar Deus para acender o pavio e colocar o universo em movimento” (em “O Grande Projeto”, publicado em 2010)

– Sobre a celebridade

“A desvantagem da minha celebridade é que eu não posso ir a qualquer lugar sem ser reconhecido. Não serve de nada usar óculos de sol e uma peruca. A cadeira de rodas trai-me” (entrevista na televisão israelita, dezembro de 2006)

– Sobre os intelectuais que se gabam

“As pessoas que se vangloriam do seu QI são perdedoras” (entrevista no “New York Times”, dezembro de 2004)

– Sobre a perfeição

“Sem imperfeição, você e eu não existiríamos” (no documentário “Into The Universe”, no Discovery Channel, 2010)

– Sobre a vida extraterrestre

“Se os extraterrestres nos visitarem um dia, acho que o resultado será semelhante ao que aconteceu quando Cristóvão Colombo desembarcou na América, resultado que não é realmente positivo para os índios” (no documentário ‘Into The Universe’, no Discovery Channel, 2010)

– Sobre a inteligência artificial

“As formas primitivas de inteligência artificial já provaram ser muito úteis, mas acho que o desenvolvimento de uma inteligência artificial completa pode acabar com a raça humana” (em declarações à BBC, dezembro de 2014)

– Sobre a morte

“Eu vivo com a perspectiva de uma morte precoce há 49 anos, não tenho medo da morte, mas não tenho pressa de morrer, há tantas coisas que eu quero fazer primeiro” (entrevista ao “The Guardian”, maio de 2011)

Outras frases:

“Olhe para as estrelas e não para os seus pés.” (ao completar 70 anos)

“A vida seria trágica se ela não fosse engraçada.”

“Mulheres. Elas são um completo mistério.” (em ‘The New Scientist’, 2012)

“O Nobel é dado apenas para trabalho teórico que foi confirmado pela observação. É muito, muito difícil observar as coisas em que trabalhei.” (sobre não ter ganho um Nobel)

“Eu não o compararia com o sexo, mas ele dura mais.” (em 2011, falando sobre o momento em que ocorre uma descoberta científica)

“A vítima deveria ter o direito de terminar sua vida, se quiser. Mas acho que seria um grande erro. Mesmo que a vida possa parecer ruim, sempre há algo que você pode fazer e ter sucesso. Enquanto há vida, há esperança. ” (falando sobre a eutanásia)

“Acredito que o desenvolvimento pleno da inteligência artificial poderia significar o fim da raça humana.” (entrevista à BBC, 2014)

“O maior inimigo do conhecimento não é a ignorância, é a ilusão do conhecimento.”

“Ninguém pode resistir à ideia de um gênio aleijado.” (entrevista à revista americana ‘Time’, setembro de 1993).

*Rosalvo Reis é professor de Física e editor do Portal Roteiro de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *